Publicidade

publicidade
Política

ALERJ APROVA PROJETO PARA AMPLIAR COMBATE AO TRABALHO ANÁLOGO À ESCRAVIDÃO

Proposta proíbe a realização de contratos com a administração pública e prevê o cancelamento da inscrição estadual de empresas envolvidas

Por DOC PRESS, 24/04/2024


Foto: Alerj

A Alerj aprovou em discussão única o PL 558/2023, de autoria do deputado Rosenverg Reis (MDB), que proíbe empresas que façam uso direto ou indireto de trabalho escravo, ou em condições análogas à escravidão, de realizar contratos com a administração pública direta e indireta do Estado do Rio de Janeiro.

A proposta também, votada nesta quinta-feira (18), prevê o cancelamento de sua Inscrição Estadual e veda a concessão de incentivos fiscais e benefícios de natureza tributária.

Os deputados Carlos Minc (PSB), Prof. Josemar (PSol) e Vinícius Cozzolino (União) também colaboraram com a proposta e assinam a coautoria do projeto. Agora, o texto segue para o Governador Cláudio Castro, que tem até 15 dias úteis para sancioná-lo ou vetá-lo.

— Infelizmente, hoje, empresas brasileiras ainda são flagradas submetendo pessoas a condições degradantes de trabalho em prol do lucro e da ganância. Nosso papel como legislador é coibir de todas as formas qualquer prática semelhante, penalizando essas empresas e acabando de vez com essa realidade que desafia os mais essenciais direitos humanos — ressaltou Rosenverg Reis.

A proposta também prevê, entre outras ações, o cancelamento da inscrição no cadastro de contribuintes do ICMS de empresas envolvidas direta ou indiretamente com exploração de trabalho infantil e/ou em condição análoga à de escravidão, além de interdição do estabelecimento com multa de 10 mil a 20 mil UFIR's.

As propriedades rurais e urbanas onde forem constatadas a exploração de trabalho escravo ou em condições análogas à escravidão serão expropriadas e destinadas à reforma agrária e a programas de habitação popular, sem qualquer indenização ao proprietário e sem prejuízo das demais sanções previstas em lei, conforme previsão constante no artigo 243 da Constituição Federal.

Rio de Janeiro PolíticaLegislativoEstado

Publicidade

publicidade
doctv

Jornalismo a serviço do desenvolvimento e da democracia.

Fundado em 26 de agosto de 2021

Editor Executivo Responsável: Tomaz de Castro | MTb: 0040666/RJ

CNPJ: 19.978.152/0001-91

Internet: Foco Comunicação

Design: Weblite Brasil

Projeto: tfc8 Consultoria

instagram
facebook
twitter
youtube
vimeo